quinta-feira, 21 de março de 2013

A Marcha da Colonização da América Portuguesa


  • Até o final do século XVI a população luso-brasileira vivia no litoral. Na época, a locomoção pelo interior era difícil e os indígenas ofereciam dura resistência à ocupação de suas terras (observe o mapa abaixo).


  • Aos poucos a colonização avançou, devido a ação dos soldados, jesuítas e dos criadores de gado.
  • No início da colonização, o litoral brasileiro era frequentemente atacado por piratas franceses, ingleses e holandeses, que na maioria das vezes aliavam-se aos indígenas como no caso dos franceses.
  • Para combater a pirataria, o governo real enviou para o Brasil muitos soldados.
  • Esses soldados ergueram fortes e povoados que deram origem a várias capitais brasileiras. 

OS BANDEIRANTES

  • No início da colonização, o governo português preocupou-se em organizar dois tipos de expedições:
  • ENTRADAS: expedições que partiam de diversos portos brasileiros e entravam pelo sertão a procura de ouro e pedras preciosas, Tiveram pouco sucesso militar.
  • BANDEIRAS: expedições que com organização e disciplina militar que partiram de São Paulo com o objetivo de capturar índios e achar ouro e pedras preciosas.
  • Considera-se três tipos de bandeirismo: Caça ao Índio, Busca de Ouro de Diamantes e Sertanismo de Contrato.


     -Bandeirismos de Caça ao Índio

  • Desde o início da colonização, os paulistas prenderam e escravizaram indígenas.
  • Para conseguir muitos índios de só uma vez, atacavam as missões, deixando um rastro de morte e destruição.
  • As principais bandeiras de caça ao índio, chefiadas por Antônio Raposo Tavavares, destruíram, em apenas dez anos (1628-1638), as missões de Guairá (Paraná), Itatim (Mato Grosso do Sul) e Tape (Rio Grande do Sul).
  • Milhares de índios foram aprisionados e o gado se dispersou.
  
- Bandeirismo de Busca de Ouro e Diamantes

  • No século XVII, uma crise econômica levou o rei de Portugal a escrever aos bandeirantes para que procurassem ouro e pedras preciosas no sertão.
  • Em 1674, Fernão Dias Pais partiu de São Paulo em direção ao sertão mineiro, onde pensou ter encontrado esmeraldas, mas na verdade eram turmalinas, sem nenhum valor na época.
  • A trilha aberta por Fernão Dias serviu para que outras bandeiras, descobrissem ouro no interior do Brasil, merecendo destaque as seguintes bandeiras:
    1. Antônio Rodriges Arzão (Sabará), Minas, 1693.
    2. Pascoal Moreira Cabral (Cuiabá), Mato Grosso, 1719.
    3. Bortolomeu Bueno da Silva (Vila Boa), Goiás, 1725.

-Bandeirismo de Contrato

  • Nos séculos XVII, os bandeirantes também foram contratados por fazendeiros e autoridades para combater índios ou escravos foragidos.
  • Esse tipo de “negócio” entre bandeirantes e os poderosos era chamado de sertanismo de contrato.
  • Uma conhecida bandeira de sertanismo de contrato foia que destruiu o Quilombo dos Palmares, em 1694.

OS JESUÍTAS

  • Eles ergueram grande número de missões no interior do Brasil, a maioria delas localizadas na Amazônia e no Sul.
  • Nessas missões, os índios eram alfabetizados, iniciados no catolicismo e aprendiam a trabalhar.
  • Muitos jesuítas combateram a escravidão indígena.
  • Em 1680, o padre Antônio Vieira, conseguiu que o rei de Portugal aprovasse uma lei proibindo a escravização indígena.
  • Essa lei provocou irritação dos colonos em várias partes do Brasil, especialmente no Estado do Grão-Pará e Maranhão dando origem a Revolta de Beckman.
  • Tudo começou quando o governo de Portugal criou a Cia. De Comércio do Maranhão, que se comprometia em vender escravos, ferramentas e roupas.
  • Porém, a Cia. Não cumpriu o prometido, além de não trazer os escravos, falsificava pesos e medidas.
  • Liderados por Manoel Beckman, os colonos invadiram os armazéns da Cia. De Comércio do Maranhão e o colégio dos jesuítas dando origem á revolta.
  • O governo português enviou tropas para o Maranhão, que reprimiram a revolta punindo severamente os envolvidos.
  • Mas ao mesmo tempo, atendeu ás exigências dos colonos:
  • Exigiu a Cia. do Maranhão
  • Voltou a permitir a escravidão indígena.

  • GADO DO NORDESTE: Introduzidos no Nordeste pelo governador-geral Tomé de Souza, o gado era usado para mover a moenda dos engenhos e transportar cana.
  • Por isso era criado nos próprios engenhos.
  • Aos poucos os rebanhos foram penetrando o interior. O gado tinha a vantagem de se locomover sozinho e sobreviver em regiões áridas.
  • GADO DO SUL: Com a destruição das missões pelos jesuítas, milhares de rebanhos de gados e mulas se dispersaram, dando origem a rebanhos selvagens.
  • Com a descoberta das minas, a região sul foi a principal fornecedora de mulas e gado para a região das minas.
  • Os luso-brasileiros foram avançando pelas terras que, de acordo com o Tratado de Tordesilhas pertenciam à Espanha.
  • O governo português buscou legalizar o território conquistado por um meio de uma série de acordos internacionais. Os mais importantes:
  • Tratado de Utrecht (1713): Assinado entre Portugal e França. Estabelecia que o Rio Oiapoque, limitaria a fronteira entre Brasil e Guiana Francesa.
  • Tratado de Madri (1750): Assinado entre Portugal e Espanha. A Colônia de Sacramento pertencia à Espanha e Portugal recebia a área de Sete Povos das Missões, no atua Rio Grande do Sul.
  • Tratado de Santo Ildefonso (1777): Assinado entre Portugal e Espanha. Os espanhóis ficavam com o território de Sete Povos das Missões e da Colônia do Sacramento e Portugal recebia de volta partes do Rio Grande do Sul.
  • Tratado de Badajós (1801): Assinado entre Portugal e Espanha. Os portugueses ficavam com o território de Sete Povos e a Espanha com a Colônia de Sacramento. 

Um comentário: